Para se concentrar primeiro na performance de tudo, os atores negros se encontram no palco em todos os tipos de papéis. Atores negros retratam personagens divorciados da bagagem racial, como Brittney Johnson como MalvadoGlinda the Good e Emilie Kouatchou como Christine Daaé em O fantasma da ópera, ambos notáveis ​​por serem os primeiros atores negros a ocupar esses papéis na Broadway em tempo integral. Outros espetáculos envolvem explicitamente a negritude de seus atores, como o de Erika Dickerson-Despenza Cullud Wattah, que decorreu off-Broadway no Public Theatre, realidade possibilitada por um renovado interesse pela obra de dramaturgos negros; no outono passado, sete sem precedentes das nove novas peças da Broadway foram escritas por dramaturgos negros.

Mas se você é um ator negro interpretando um personagem negro ou um ator negro que fez seu personagem negro transitivamente, o público percebe sua negritude no palco. Como você se sente ao saber que sua capacidade de ficar alojado e alimentado em uma sociedade capitalista exige atenção aos caprichos do público? E como é interpretar Blackness para um público branco que pode ou não estar interessado em perturbar a primazia de sua própria experiência vivida ao se mover pelo mundo?

Aqui, é importante deixar algo claro: frequentar teatro, mesmo teatro negro, não substitui uma práxis desenvolvida. Na minha experiência, o equívoco de que o teatro pode ser outra coisa senão um fac-símile superficial na verdade causou danos. Eu afirmo que os membros do público entram no teatro e procuram não ser pessoas melhores, mas simplesmente ser melhores do que as demonstrações de racismo branco apresentadas nas peças que assistem. E enquanto algumas produções apresentam as minúcias da anti-negritude “benevolente” com grande sutileza (Fairview por Jackie Sibblies Drury e Problema em mente por Alice Childress vêm à mente), outros retratam a anti-negritude abertamente como para submergir a barra da vida antirracista abaixo da crosta da terra.

Quando considero que, como performer negro, posso paradoxalmente possibilitar a complacência branca ao apresentar o sofrimento negro, torna-se difícil realizar o “trabalho” maiúsculo da atuação. Uma lista incompleta das perguntas que podem surgir inclui: Sou um estereótipo? Sou uma ferramenta educacional? Eu sou um suporte? Ou um trampolim para o desenvolvimento pessoal de outra pessoa? Isso nem toca as formas que outras formas de opressão que se cruzam (como transfobia, colorismo, gordofobia) ditam quem chega ao palco.

Quando me encontro em casas dolorosamente homogêneas, saio da apresentação duas vezes mais cansada mentalmente porque, ao contrário da maioria dos outros sentados ao meu lado, testemunhei duas apresentações separadas ocorrendo em ambos os lados do proscênio.

Agora, vamos entrar na casa por um segundo.

Através de uma série de eventos fortuitos que remontam aos meus dias de pré-adolescência no Tumblr, tornei-me um crítico. Como resultado, não só vejo mais teatro do que a média das pessoas, mas também espero ter tomadas que superem um simples polegar para cima ou para baixo.

Quando me encontro em casas dolorosamente homogêneas, saio da apresentação duas vezes mais cansada mentalmente porque, ao contrário da maioria dos outros sentados ao meu lado, testemunhei duas apresentações separadas ocorrendo em ambos os lados do proscênio. Como alguém que fornece opiniões bem concebidas para o meu trabalho, estou, novamente, distraído do trabalho em mãos quando, em vez disso, me pergunto a mesmice duradoura de um público em uma das cidades mais diversas do país. Mesmo quando uma produção luta contra a branquitude como força hegemônica nas audiências teatrais com esforços como notas de dramaturgo em programas, a expectativa de propriedade é sufocante.

Na melhor das hipóteses, você se vê com a boca costurada, incapaz de atuar fora dos parâmetros do “bom” público de teatro, mesmo quando convidado. Na pior das hipóteses, você de alguma forma sente vergonha pessoal e constrangimento vicário porque seus colegas da plateia riram de uma pessoa de cor falando com sotaque.

Eu sei que esta peça pode ser lida como uma crítica à mera existência de plateias brancas de teatro. Este não é o caso; Eu realmente acredito que é bom ver coisas que não são sobre você. Eu acho que qualquer arte é para qualquer um, desde que as pessoas aceitem as regras de engajamento para essa arte.

Essa frase “aceite as regras de engajamento” é a chave para desvendar esse enigma. A dupla consciência que os negros vivenciam, no teatro e na vida, é resultado de termos que nos medir contra um padrão branco hegemônico. Eu gostaria de pensar que poderíamos alcançar alguma paz de espírito na ausência de tal padrão. Isso exigiria duas grandes mudanças. Primeiro, os brancos que já veem teatro precisariam descentrar seus próprios pontos de vista em relação à arte que assistem. Em segundo lugar, o público de teatro deve se tornar mais diversificado. Não importa quão esclarecido um público se torne, o aprendizado do livro não pode substituir o impacto de um bando de experiências vividas variadas.

Sei que não são pedidos simples. Por um lado, adotar novas perspectivas pode ser difícil. Além disso, não basta dizer aos negros e outras pessoas de cor para habitar espaços que os excluem. Mas muita coisa pode acontecer simplesmente por ter o desejo de fazer melhor. E fora da cúpula, fazer melhor pode incluir preços mais baixos de ingressos, alcance local e participação da comunidade nos processos de tomada de decisão.

No final, eu só quero sair do trabalho de autovigilância como um corpo negro no espaço branco e chegar ao trabalho de fazer arte.

By admin

Leave a Reply

Your email address will not be published.