Monday, January 30
Shadow

Crítica: Alice no País das Maravilhas, Brixton House

Nos primeiros cinco minutos do show, Alice (Nkhanise Phiri) vivencia o pior pesadelo de todo jovem londrino: se perder no metrô. Após uma discussão acalorada com sua mãe, ela corre para um vagão de trem no momento em que as portas estão se fechando. Separada e sozinha, Alice é transportada para um estranho e maluco País das Maravilhas, onde conhece criaturas com nomes de linhas de metrô, canta sobre “Alice-tocracia” e luta contra a Rainha da Linha. Esta produção da Brixton House é única desde o início. O conjunto é inovador e habilmente projetado por Shankho Chaudhuri. O palco é dividido horizontalmente por um vagão de metrô,…

Avaliação

Excelente

Enérgica e imaginativa, esta versão espirituosa de Alice no País das Maravilhas é imperdível neste Natal.

Nos primeiros cinco minutos do show, Alice (Nkhanise Phiri) vivencia o pior pesadelo de todo jovem londrino: se perder no metrô. Após uma discussão acalorada com sua mãe, ela corre para um vagão de trem no momento em que as portas estão se fechando. Separada e sozinha, Alice é transportada para um estranho e maluco País das Maravilhas, onde conhece criaturas com nomes de linhas de metrô, canta sobre “Alice-tocracia” e luta contra a Rainha da Linha.

este Brixton Casa a produção é única desde o início. O conjunto é inovador e inteligentemente projetado por Shankho Chaudhuri. O palco é dividido horizontalmente por um vagão de metrô, com cada extremidade se assemelhando a um túnel. Avisos que se assemelham a sinais autênticos do TFL estão pendurados acima do público, exceto que fazem referência ao mundo de Lewis Carroll, com um afirmando afirmativamente “Jabberwocky está sempre assistindo”. Alguns dos assentos do vagão do metrô têm compartimentos secretos e há alçapões nos lugares mais improváveis. Os atores percorrem o palco, aproveitando todo o espaço e garantindo que todos possam ver a ação. A única desvantagem são os assentos apertados. Brixton House consegue emular a experiência do metrô um pouco bem demais: o público está lotado como passageiros na hora do rush. E por uma hora e quarenta minutos, é uma experiência muito desconfortável.

Os personagens, no entanto, não são o que você espera. Em vez da Lebre de Março, do Chapeleiro Maluco e do Caxinguelê em uma festa do chá, há o Pombo (Khai Shaw), Rato (Rosa Garland) e nariz (Will Spencer) em uma reunião golpista. O líder da gangue é o motorista do metrô, Chatter (Toyin Ayedun-Alase), que está desesperado para recuperar o controle do trem incessante e explica vários esquemas por meio de rap. Ao longo da peça, Alice é apresentada a personagens cada vez mais bizarros, mas foi só no intervalo que percebi que esta produção tem apenas um elenco de cinco e os atores estão dobrando – às vezes triplicando – como outros personagens. . As várias fantasias e sotaques definitivamente me enganaram!

Meus favoritos são Rabbit e Hammersmith, ambos interpretados pelo humorístico Shaw. A energia ansiosa de Rabbit é canalizada para ser um funcionário sobrecarregado. É gratificante ver sua jornada desde a relutância em tirar férias anuais até falar sobre sindicatos e organizar greves. Hammersmith, como o nome sugere, carrega um grande martelo. Projetado por Debbie Duruseu figurino exagera tanto seus ombros que parece que é de Minecraft. Shaw interpreta Hammersmith com uma voz muito aguda, que deixou o público em ponto, principalmente quando ele ameaçou violência.

O destaque, porém, é o Jabberwocky. Emergindo de trás de um véu de fumaça com apenas tochas vermelhas como olhos, é simples, mas extremamente eficaz. Em uma cena de busca por Alice, as luzes vermelhas iluminam o público criando um efeito misterioso. As instruções da Rainha da Linha “veja, mate-oclass it ”enfatizam o perigo iminente de Alice.

Quando Alice e a Rainha da Linha se enfrentam, uma grande plataforma desce lentamente do teto e as duas lutam nela. Esta emocionante sequência é muito divertida de assistir, mesmo que um pouco desajeitada. O diálogo que se segue mostra Phiri e AyedunA gama de Alase, pois eles cobrem tópicos sérios de uma forma genuinamente comovente.

Embora os trocadilhos da estação de metrô sejam implacáveis ​​(são 102 deles), este é um show perfeito para todas as idades. Com um final quente e confuso, esperado na época do Natal, o escritor Jack Bradfieldde Alice no Pais das Maravilhas destaca a importância do espírito comunitário bem no coração de Brixton. Voltar para casa na linha Victoria parecia estranho; Eu meio que esperava cair no País das Maravilhas também.


Diretor e Escritor Principal: Jack Bradfield
Letrista e Rapperturg: Gerel Falconer
Figurinista: Debbie Duru
Designer de cenário: Shankho Chaudhuri

Alice In Wonderland toca na Brixton House até 31 de dezembro. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.

Leave a Reply

Your email address will not be published.