Shadow

Crítica: Blud, Etcetera Theatre – Everything Theatre

Bem, no final éramos três na plateia e isso é uma pena porque esta performance merece muito mais visibilidade. Blud, escrito e estrelado por Yan Toby-Amisi, é um relato comovente, contundente e motivado do racismo que afeta todos os negros de Londres. Sozinho no palco, Toby-Amisi narra o relato de Daniel, um jovem negro nascido e criado no bairro, e suas tentativas de sair. Começando com a felicidade inocente de seus anos de escola, quando as amizades foram criadas a partir de um amor mútuo pela música, galinheiros e insultos, ele perfeitamente…

Avaliação

Excelente

Uma poderosa performance solo que, sem truques ou prestidigitação, oferece um relato convincente da trajetória do racismo generalizado na sociedade contemporânea.

Bem, no final éramos três na plateia e isso é uma pena porque esta performance merece muito mais visibilidade. Bludescrito e estrelado por Yan Toby-Amisi, é um relato comovente, contundente e motivado do racismo que afeta todos os negros em Londres. Sozinho no palco, Toby-Amisi narra o relato de Daniel, um jovem negro nascido e criado no bairro, e suas tentativas de sair. Começando com a felicidade inocente de seus anos de escola, quando amizades foram criadas a partir de um amor mútuo pela música, galinheiros e insultos, ele oscila perfeitamente entre a prosa e o rap, adotando uma infinidade de sotaques ao longo do caminho. O ritmo criado é inspirado, a batida facilitando uma empatia com o público.

Há humor no nascimento do relacionamento com seu melhor amigo, que se transforma em tristeza quando as vidas desses dois meninos seguem caminhos diferentes. Determinado a melhorar a si mesmo, Daniel atinge as alturas vertiginosas da universidade – “Russell Group nada menos” – apenas para descobrir o racismo incessante e insidioso opressor e alienante. Desesperado para voltar ao seu bairro, mas sem querer voltar, ele apresenta ao público uma demonstração clara das barreiras impostas aos jovens negros em Londres hoje. Durante grande parte da narrativa, Daniel está progredindo: tem um bom emprego, uma esposa e um filho que ama muito. Ele derrotou as restrições que a sociedade impõe a ele, mas então mais um incidente acontece, mais uma agressão injustificada e injustificada, e ele enlouquece. E tem consequências, que na verdade são só consequência de ser negro na sociedade de hoje.

A simplicidade da iluminação funciona perfeitamente: mudanças bruscas de cores chamam a atenção para variações de humor, além de criar personalidades variadas para Toby-Amisi. O próprio ator é soberbo: às vezes inocente, às vezes frustrado, sempre discretamente confiante. Ele mal ferve com uma raiva que é completamente persuasiva diante da injustiça contínua.

As questões que Toby-Amisi levanta nesta obra não podem ser novas para nenhum cidadão civicamente consciente com o mínimo de consciência, mas a fluidez com que ele constrói sua narrativa e a força em sua atuação reforçam a inevitabilidade dessa trajetória. É simultaneamente comovente e de parar o coração. Dolorosamente frustrante é a natureza impotente da vida: a fácil transição para o porte de uma arma porque você precisa se defender, a incapacidade das comunidades vizinhas de ver como seu comportamento intolerante e cego cria e reforça o “outro” e a separação absoluta de “sociedade” como alguém a define. Este é um trabalho realmente importante que ressoa mais do que nunca hoje. Eu realmente gostaria que mais pessoas vissem isso, pessoas de todas as idades e origens, porque a responsabilidade está desesperadamente atrasada.


Escrito por: Yan Toby-Amisi

Blud se apresenta no Etcetera Theatre até 15 de dezembro. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.

Leave a Reply

Your email address will not be published.